Romã

Romã - Punica granatum L.

Reino Plantae
Divisão Magnoliophyta
Classe Magnoliopsyda
Ordem Rosales
Familia Rocaceae
Gênero Punica
Espécie granatum

Nomes Populares: Romã, Romanzeira

Características:

Planta de porte arbustivo, originária do Oriente Médio onde crsce silvestre principalmente na palestina e hoje mundialmente difundida, geralmente atinge 2,5 metros. Seu tronco é reto e ramifica-se intensamente logo acima do colo da planta com pouco mais de 30 cm de diâmetro, de coloração acinzentada se avermelhando nos ramos mais novos. Suas folhas são glabras cartáceas e lustrosas, de coloração verde brilhante e semidecíduas, formam copa pequena e arredondada.

Suas flores são solitárias ou em pequenos grupos, dispostas em raminhos. Suas pétalas são alaranjadas ou vermelhas e de consistência carnosa, com ovário ínfero, formando frutos do tipo baga, arredondadas e grandes, lisos variando do marrom ao púrpura contendo grande quantidade de sementes, cada uma encapsulada em por uma película de polpa vermelha comestível.

Sua utilização alimentícia é pouco aproveitada no Brasil, sendo seu maior uso no paisagísmo devido a forma graciosa de sua copa e a beleza de suas flores e frutos. Possui propriedades medicinais devido a grande quantidade de substâncias que apresenta como alcalóides, taninos, sais minerais, ácidos orgânicos e etc, sendo utilizada para afecções de boca, olhos e pele, amidalites, cólicas intestinais, antioxidante, anti-inflamatório, adstringente, diurético dentre outros, sendo utilizado seus frutos, casca dos frutos e das raízes e suas folhas. Seu uso deve ser regular e acompanhado pois possui algumas substâncias tóxicas.

Sua propagação geralmente se dá por sementes, prefere solos profundos, e sol pleno, planta rústica, tolera a salinidade até certos níveis, bem como secas e encharcamento, é resistente a baixas temperaturas.

Possui grande envolvimento em muitas culturas e religiões simbolizando a união e individualidade, a vitalidade, a renovação, a realeza devido à coroa feita pelo cálice seco preso ao fruto e etc. É relatada 11 vezes no velho testamento, descritas nos jardins do Rei Salomão, são encontradas em rituais gregos, egípcios, hebreus, judeus, assírios, maçons e etc. Como também deu nome a diversas cidades pelo globo e está presente em diversas histórias.

Referências:

LORENZI, H; Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil, vol 2, 4 ed. Nova Odessa, SP. Instituto Plantarum. 2002

ROZZINI, C,T; MORS, W,B; Botânica econômica brasileira, 2 ed, revisada e atualizada. – Rio de Janeiro: Âmbito Cultural.1995

http://www.jardineiro.net/br/banco/punica_granatum.php

http://www.maconaria.net/portal/

http://www.plantamed.com.br/plantaservas/especies/Punica_granatum.htm

http://www.cit.rs.gov.br/v2/nova/?p=p_129