Painera-rosa

Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Malvales
Família: Malvaceae
Subfamília: Bombacoideae
Gênero: Chorisia
Espécie: Chorisia speciosa St. Hil.
Nomes populares: Paineira-rosa, paineira, árvore-de-paina, paina-de-seda, árvore-de-lã, barriguda, paineira-fêmea, paineira-de-espinho, paineira-branca
A paineira-rosa é uma árvore popularmente muito conhecida, devido á sua exuberante beleza, seja de suas flores, seja de seu tronco cinzento-esverdeado e recoberto de acúleos grandes e piramidais(estruturas parecidas com espinhos) ou ainda de seus curiosos frutos que quando se abrem na copa, fazem da árvore uma espécie coberta de “algodão”!
Planta nativa, ocorrendo nos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Norte do Paraná, na floresta latifoliada semidecídua da bacia do Paraná.
Árvore de grande porte, podendo alcançar de 15-30 m de altura, dotada de copa globosa ampla. Possui tronco cilíndrico e volumoso, com diâmetro entre 80-120 cm. Suas folhas são compostas digitadas e longo’pecioladas. Os folíolos são glabros (sem pêlos), em número de 5-7, membranáceas, 6-12 cm de comprimento por 2-6 cm de largura.
A madeira da paineira-rosa é bastante leve, mole e pouco resistente, textura grossa e possui baixa durabilidade natural. Pode ser utilizada na confecção de calçados, caixotaria, celulose, canoas, cochos, gamelas, cepas de tamancos e artesanato. A paina (pluma que envolve as sementes) foi muito utilizada no passado no enchimento de travesseiros e colchões. Além disso, pode ser amplamente utilizada em ornamentação de praças e jardins, devido à sua beleza ornamental, rusticidade e ao seu rápido crescimento.
As flores pintalgadas de vermelho, podem se apresentar em diversas tonalidades de rosa, de acordo com a variedade, são grandes e vistosas. Os frutos possuem o formato de cápsula ovóide e deiscente (ou seja, o fruto se abre quando maduro ainda na planta), e libera a paina que envolve as sementes com a ação da gravidade/vento; uma grande quantidade de suas sementes são viáveis, que são amplamente disseminadas graças á fixação que a paina proporciona, além disso germinam e desenvolvem rapidamente.
A floração é intensa e ocorre no verão e outono, a maturação de seus frutos ocorrem durante os meses de agosto/setembro, com a árvore totalmente despida de sua folhagem.
A paineira-rosa é uma árvore tropical, mas tolera o frio, desde que não seja muito intenso, cresce em ambiente aberto, exposta á luz direta (heliófita), e também cresce em ambientes brejosos (higrófitas) e perde suas folhas (decídua) durante as fases de floração/frutificação.
Deve ser cultivada em solos férteis irrigados a intervalos regulares. Pode se multiplicar por estacas, embora mais raramente, sendo este método empregado em regiões muito frias.
Para propagar as sementes da paineira, é necessário que se recolha os frutos diretamente da árvore quando iniciarem a abertura espontânea e levadas ao sol para completarem a abertura. As sementes devem ser retiradas manualmente das plumas. Um quilograma de semente pura contém  aproximadamente 5.700 unidades.
Coloque as sementes para germinar sem tratamentos em canteiros ou embalagens individuais contendo substrato organo-arenoso e mantenha á meia sombra. Cobrir levemente as sementes com substrato peneirado e irrigar duas vezes ao dia. A taxa de germinação ocorre em 80% das sementes e é muito rápida (5-8 dias). O desenvolvimento das mudas também é rápido, e estão prontas pra o plantio no local definitivo em menos de 4 meses, também no campo seu crescimento é rápido, podendo atingir facilmente 5-6 m aos 2 anos.
Fontes consultadas:
LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 1992. 352p.
DUARTE, M. C. Diversidade de Bombacaeae Kunth no Estado de São Paulo. Instituto de Botânica da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 2006. 99p.
http://www.jardineiro.net/br/banco/chorisia_speciosa.php