Canafístula

Canafístula é um dos nomes populares dados à Senna multijuga, árvore que pertence á família Leguminosae-Caesalpinoideae de altura média entre 6 a 10 metros e tronco medindo de 30 a 40 cm de diâmetro. Possui folhas compostas de 20-40 pares de folíolos membranáceos e glabros. Madeira leve, mole, de baixa durabilidade quando exposta à interpéries.

Esta árvore que também é conhecida como pau-cigarra, caquera e aleluia, ocorre em quase todo o Brasil, principalmente na mata pluvial da encosta atlântica. No sítio Natureza Divina podemos encontrar vários exemplares, um de fácil visualização está situado no caminho do centro do lado esquerdo, e quando está florida, além da exuberânte beleza de sua copa, enche o lago das flores amarelas fecundadas, embelezando ainda mais a paisagem. Do mesmo lado, encontram-se também mais duas espécies pequenas, que foram transplantadas e que estão em processo de recuperação do transplante.

Espécie típica de estágio inicial, ou seja, presente no início da formação de uma floresta, se transforma no inverno perdendo suas folhas. Tem uma grande disseminação natural, sendo encontrada em formações de populaçãoes quase puras, ou amplamente dominante em formações secundárias.

Uma curiosidade desta árvore é que as formas jovens (larvas) das cigarras procuram as raízes da canafístula como abrigo e alimento. O tatu, sabendo disso, consegue identificar e cavar as suas raízes em busca destes insetos.

Também é muito utilizada em recuperação de áreas degradadas, sendo pesquisada e recomendada para revegetação de áreas degradadas pela mineração de bauxita e xisto, bem como para áreas de preservação permanente.

A madeira pode ser utilizada em caixotaria leve e confecção de brinquedos, além disso pode ser empregada no paisagismo, devido a exuberância das flores e longo período de florescimento.

Devido ao seu pequeno porte e forma estreita de sua copa, pode ser empregada na arborização de ruas estreitas e sob redes elétricas.

Suas flores apresentam-se em cachos pendentes na extremidade dos ramos, amarelas, pequenas. Floresce durante um longo período do ano (dezembro – abril), as abelhas e outros insetos, em busca de alimento produzido pela flor (néctar), encarregam-se da polinização (reprodução da flor).

Produz anualmente grande quantidade de sementes, a maturação das vagens (fruto alongado de cor marron) ocorre de abril a junho.

Para a produção de mudas, deve-se colher as vagens direto da árvore quando iniciarem a abertura espontânea. Em seguida deixá-los ao sol para completar a abertura dos frutos e facilitar a liberação das sementes. Colocá-las em seguida (sem nenhum tratamento) para germinar em canteiros semi-sobreados, contendo substrato organo-arenoso; cobri-las com uma leve camada do substrato peneirado. A emergência ocorre em 10-30 dias e, a taxa de germinação é geralmente elevada.

Quando as mudas atingirem cerca de 4-6 cm, separá-las em embalagens individuais, e após 5-6 meses, podem ser transplantadas nos locais definitivos. Seu desenvolvimento no campo é rápido, podendo atingir 3,5 m aos 2 anos.

Sinonímia botânica:

Cassia multijuga Rich.

Fontes:

LORENZI, Harri. Árvores Brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 3a. ed. Nova Odessa, SP: Instituto Plantarum, vol.01, 2000.

CARVALHO, Paulo E. R. Espécies Arbóreas Brasileiras. Brasília, DF: EMBRAPA, vol.01, 2003.

Árvores do Brasil: http://www.arvores.brasil.nom.br/florin/canafis.htm, acesso em Agosto de 2007